[RESENHA] Todo Dia, de David Levithan

julho 24, 2018


Sinopse: Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrarem a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.





Como se sentiria se, todo dia, você acordasse em um corpo diferente, com uma família diferente, amigos diferentes, sem saber exatamente o que é ou o que fazer com isso? Essa é a premissa de Todo Dia, do David Levithan!
"A" acorda todo dia em um corpo diferente e a única ligação que tem com o corpo anterior é apenas a idade e a cidade em que acorda novamente. Sem poder escolher o corpo no qual vai habitar no dia seguinte, o personagem decide que não vai interferir de forma alguma na vida da pessoa que ele está hospedado.
A história começa mesmo quando A acorda no corpo de Justin e conhece Rhiannon, sua namorada, e, por um dia inteiro, ele se permite mudar a perspectiva e, ao invés de viver como se fosse Justin, ele vive para ele mesmo quando percebe que ela está apaixonada e Justin não está nenhum pouco interessado por ela.
O problema começa quando A descobre que também está apaixonado por ela e, por sua interferência no corpo do Justin, plantou uma sementinha na cabeça dela sobre a forma como ela é tratada pelo namorado. Então, decide que, nos próximos corpos que irá se hospedar, vai tentar encontrar uma forma de ao menos encontrá-la e ver.

Até que não resta outra opção a não ser revelar tudo a ela, e é nessa parte que entra o clímax, enquanto A tenta entender o que realmente é, Rhiannon se vê apaixonada pela mesma pessoa que acorda em corpos diferentes.
E, no decorrer da história, também conhecemos personagens que estão dispostos a acreditar que ele é uma aberração, demônio enviado a Terra, e tantas outras coias e, de contrapartida, pessoas que sabe quem ele é e ele precisa decidir se é arriscado demais confiar nelas ou continuar vivendo da forma que está.
Será que o amor é capaz de quebrar barreiras e paradigmas apenas para existir? O corpo de alguém interfere na maneira como você vai amá-la? E, o mais importante, o que define quem você é?
O que me deixa intrigado é a forma como David desenvolve em uma fantasia questões sobre orientação sexual, preconceitos culturais e como devemos entender melhor o interior de cada um e não apenas o que tem por fora, o que é corriqueiro. Este é um daqueles livros leves que te transporta para um universo de reflexões sobre como você vive sua vida, sobre a forma como que ama o próximo, ou até mesmo seu nível de aceitação a cultura divergente da que está acostumado. Como A acorda em um corpo diferente, sempre, ele acaba encontrando culturas diferentes, deficiências diferentes, níveis de intelecto diferente e, não importa se acorda em um corpo de homem ou de mulher, o que importa é que ele sabe quem realmente é, e está disposto a correr atrás de respostas e do amor ao mesmo tempo!
Com passagens intensas e reflexões profundas, este livro promete mudar totalmente a forma como você encara sua própria vida e o jeito que está vivendo-a.

E, só para lembrar, o livro estréia nesta quinta-feira, 26/07!
Eu tive a oportunidade de assistir ao filme na pré-estréia e posso falar que está incrível! Quando se lê o livro com questões reflexivas baseando-se muito no pensamento do personagem, já é de se esperar que muitos pensamentos e reflexões ficam de fora no livro, e eu já estava preparado para essa superficialidade que se tornaria essa adaptação cinematográfica, no entanto ainda traz de forma verdadeira e pura o romance que existe entre A e Rhiannon, e alguns paradigmas que vai fazer as pessoas entenderem e quebrarem!
E ai? Já leram o livro? Já viram ao filme? O que acharam?

David Levithan estará na Bienal do Livro em São Paulo no dia 11/08!

3 comentários:

  1. Oi.

    Adorei a sua resenha. Consegui a senha para o David na Bienal e então comprei esse livro. Já estou um tempo "namorando" e agora que vai surgir o filme, me deixou ainda mais curiosa. A premissa desse livro é totalmente diferente do que já vi e parece excelente! Adoro livros que trazem grandes reflexões. Ansiosa pela leitura.

    Beijos,
    Blog PS Amo Leitura

    ResponderExcluir
  2. Estou ficando cada vez mais com vontade de ler esse livro, a resenha está ótima.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Adorei a resenha , sempre vi esse livro mas nunca dei atenção , talvez pela capa. Mas essa resenha me deixou pouca pra lê ele .

    ResponderExcluir