[RESENHA] Garoto 21, de Matthew Quick

janeiro 08, 2018

Título: Garoto 21 (Boy21)
Autor(a): Matthew Quick
Editora: Intrínseca
Páginas: 272
Gênero: romance
adicione ao skoob // compre aqui

Sinopse:
Repetir um movimento várias e várias vezes ajuda a clarear a mente uma lição que Finley aprendeu muito cedo, nas quadras de basquete. Numa cidade comandada pela violência do tráfico e da máfia irlandesa, vestir a camisa 21 e dar o sangue em quadra é sua válvula de escape.
Vinte e um também é o número da camisa de Russ, um gênio do basquete. Ou pelo menos era. Recém-chegado à cidade de Bellmont depois de ter a vida virada de cabeça para baixo por uma tragédia, a última coisa que ele quer é pegar de novo numa bola.
Russ está confuso, parece negar o que lhe aconteceu e agora se autointitula um alienígena de passagem pela Terra. Finley recebe a missão de ajudá-lo a se recuperar e, para isso, precisará convencê-lo a voltar a jogar, mesmo sob o risco de perder seu lugar como estrela do time.
Contra todas as probabilidades, Russ e Finley se tornam amigos e, por mais estranho que pareça, a presença de Russ poderá transformar a vida de Finley completamente. Uma emocionante história sobre esperança, amizade e redenção, com a prosa sensível e inteligente de Matthew Quick.

Finley é um garoto retraído, que não fala muito, e uma das coisas que gosta muito de fazer é jogar basquete. Ele se sente bem jogando, além de que isso faz com que seu pai, que é infeliz na maior parte do tempo, sinta orgulho dele. Ele está sempre jogando basquete, que é como uma válvula de escape pra ele, até fora de temporada, com sua namorada, Erin.

Russ é um prodígio do basquete, e após seus pais serem assassinados, ele se muda para Bellmont com seus avós, mas se recusa a jogar basquete. À pedido do treinador, Finley se aproxima de Russ pra ajudar nessa transição de cidade. O Garoto21 tem uma fixação pelo espaço sideral, e acha que é um alienígena e está esperando buscarem ele. O número da camisa de time é 21, assim como a de Russ (que prefere ser chamado de Garoto21), por isso Finley fica com medo de perder a posição de titular pro Garoto21, mas tenta se aproximar e ser amigo dele mesmo assim.



Os dois têm algo em comum, muito além do fato de ambos jogarem basquete, e você passa o livro inteiro querendo entender essa ligação dos dois, que todo mundo enxerga menos o próprio Finley, que não gosta de falar sobre assuntos difíceis, e aí com isso, ficamos no escuro também.

Erin e Finley sempre terminam na temporada de jogos de basquete, porque ele diz que ela o distrai, é algo que eles estão acostumados a fazer, embora fica claro que ela preferia que fosse diferente. Fiquei um pouco incomodada quando ele passa tempo com o Garoto21 e não com ela. Claro, ele precisa de companhia e ajuda por tudo que passou, mas sinto "as dores" de Erin.



Acho que todos nós somos um pouco como Finley e o Garoto21, às vezes preferimos guardar certas coisas pra nós mesmos e não falar sobre o assunto como uma forma de ser um escudo pra nos proteger, e o livro nos mostra como isso é a pior coisa que podemos fazer. Se tem algo nos incomodando ou algo ruim aconteceu, precisamos falar sobre isso, até como uma forma de nos libertamos daquilo, e é muito melhor ainda quando temos alguém que entende exatamente aquilo pelo que estamos passando, mesmo sem saber, como Finley e o Garoto21.

Eu já li outros livros do autor e gostei muito, então a expectativa para esse estava alta e conseguiu me surpreender com uma história emocionante sobre superação e esperança, com uma escrita leve e que te prende até a última página. Me deixou curiosa pra conferir a adaptação cinematográfica que ainda será lançada.



É um livro mais do que recomendado, assim como os outros livros do autor que são incríveis, que sempre trazem mensagens importantes e inspiradoras, que nos dão esperança sobre a vida e o futuro.



QUOTES:

"Não sei o que dizer, então não digo nada, como sempre."

"A verdade é que muitas coisas aconteceram comigo, coisas boas e ruins. Eu precisaria de muitas palavras para explicar, mais palavras que sou capaz de dizer."

"No interior da cabeça dele há uma guerra sendo travada – uma guerra que ele está perdendo."

"O silêncio sempre foi meu modo preferido de agir – minha melhor defesa contra o mundo."

"Você já se sentiu como se não fosse por fora a mesma pessoa que é por dentro?"

16 comentários:

  1. Olá Carol!
    Que livro lindo, eu amei conhecer, é a primeira resenha que leio sobre ele e que me fez apaixonar pela história...Capa linda tbm...
    Espero em breve conseguir uma oportunidade de ler e conhecer mais sobre os personagens!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. A história em si não me despertou muito interesse, mas uma coisa que eu gosto é a escrita do Quick (apesar de ter lido só 2 livros dele). Ele tem um modo próprio de contar história.
    E uma coisa que gostei muito foram os quotes, todos são maravilhosos. E o assunto abordado que é falar o que incomoda é bem importante.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Carol.

    "Wow..." foi meu primeiro pensamento ao ler a sinopse. É um livro um pouco doido (até pensei que o Russ fosse um alienígena mesmo e com uma missão aqui na Terra), ao mesmo tempo que nos traz reflexões, e fala da verdadeira amizade e de sonhos...

    ResponderExcluir
  4. Oi Carol!
    Não conheço a escrita do autor, mas já havia gostado bastante da sinopse, e claro que fiquei super curiosa para ler depois da resenha. Parece que a amizade entre o Finley e o Russ, e os dois vão se entender bem com suas dores, acho que a ligação deles vai se basear nisso, no que os dois viveram de ruim.
    O fato do Finley terminar com a namorada na temporada me irritou, acho que vai ser um ponto da leitura que talvez eu não compreenda, fora isso, o livro parece mesmo incrível.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Que quotes maravilhosos!
    Já li um livro do autor e gostei bastante, e esse me impressionou mais ainda pela forma que foi escrito e por esta capa lindona. Já quero!!

    ResponderExcluir
  6. Ainda não li nenhum livro do Matthew Quick. Mas as críticas que leio são sempre positivas. Portanto devo começar um livro dele em breve.

    ResponderExcluir
  7. Olá, vejo que aqui Quick entrega mais uma trama recheada de reflexões para o leitor, com personagens extremamente bem explorados (essa relação do protagonista com o basquete realmente cativa o leitor) e o melhor, com adaptação confirmada. Beijos.

    ResponderExcluir
  8. É um livro bem reflexivo isso eu concordo mas eu não me interessei muito por esse livro do Matthew quick eu achei ele um pouco parado e até mesmo monótono acabei desistindo dele antes mesmo de começar

    ResponderExcluir
  9. Instigante. O Labo bom da Vida é sensacional, então esse autor tem mais do que crédito, certamente irei ler esse em breve.

    ResponderExcluir
  10. Nossa que livro interessante,não tinha ouvido falar ainda desse livro e desse autor,mais fiquei bem interessada na história, acho que vou colocar na minha lista,VC explicou muito bem a história de dois garotos,tão iguais e tão diferente, deu muita vontade de ler,você me conquistou...parece aquele tipo de história que a gente não quer que termine,sempre querendo maos e mais...mais ao mesmo tempo nos instiga a querer resolve logo o mistério

    ResponderExcluir
  11. Carol!
    Achei o retrato da nossa sociedade: problemas com a infiltração das drogas nas escolas e tentando dominar todos os parâmetros sociais, e, o esporte sendo um incentivo para que as crianças e adolescentes sejam afastado desse mundo vil.
    Acredito que seja um ótimo livro para leitura.
    Desejo uma semana mais que abençoada e Novo Ano repleto de realizações!!
    “Que a paz, a saúde e o amor estejam presentes em todos os dias deste novo ano que se inicia. Feliz Ano Novo!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  12. O livro não me chamou atenção, creio que para mim acabaria sendo um livro muito cansativo. Mas acho que o filme eu assistiria sem problemas!

    ResponderExcluir
  13. Olá Carol!!!
    Realmente acho que somos um pouco dos dois personagens e essa é a primeira vez que tenho contado com o livro, mas admito que em cada foto que foi passando eu me vi me distraindo por causa de uma TARDIS linda e maravilhosa que aparecia nessas fotos *-*
    Carol não me diga que você é fã de Doctor porque eu já surto aqui!?
    Amei a resenha!!!

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Bom, o livro não me interessou muito, mas curti os quotes, são bem legais. A capa ficou bem criativa. Talvez futuramente eu leia esse livro.

    ResponderExcluir