[RESENHA] Talvez Um Dia, de Colleen Hoover

novembro 30, 2017

Sinopse: Um dos livros mais comentados de 2015, nos Estados Unidos, este é mais um sucesso arrebatador de Colleen Hoover, autora das séries Slammed e Hopeless
Sydney acabou de completar 22 anos e já fez algo inédito em sua vida: socou a cara da ex- melhor amiga. Até hoje, ela não podia reclamar da vida. Um namorado atencioso, uma melhor amiga com quem dividia o apartamento... Tudo bem, até Sydney descobrir que as duas pessoas em quem mais confiava se pegavam quando ela não estava por perto. Até que foi um soco merecido. Sydney encontra abrigo na casa de Ridge. Um músico cujo talento ela vinha admirando há um tempo. Juntos, os dois descobrem um entrosamento fora do comum para compor e uma atração que só cresce com o tempo. O problema é que Ridge tem uma namorada, e a última coisa que Sydney precisa agora é se transformar numa traidora.



Sydney cursa a faculdade que sempre quis, de música, mesmo sendo contra a vontade de seus pais e acha que pode se dar bem no ramo artístico. Tem um namorado quase que perfeito e uma melhor amiga da qual divide apartamento. Sua vida estava bastante estável e para completar, em suas tardes de estudos, ela poderia contar com a melodia vindo de um violão de um garoto de outra casa. Secretamente ela o assistia e torcia para que ele não notasse o quanto ela o observava e como o admirava. Porém, a estabilidade de sua vida está prestes a acabar.

Sydney ganhou a pior surpresa de aniversário de 22 anos de todos os tempos: uma traição entre seu namorado e sua melhor amiga e descobriu isso da pior forma possível. Para completar, ficou com a mão machucada após socar a cara de Tori e sem um lugar para morar, já que se recusa a ficar mais meio segundo no mesmo teto que duas pessoas traidoras. Sem ter onde ficar e sua última alternativa sendo voltar para casa dos seus pais, Syd se vê perdida em meio à chuva, no meio da rua e só com sua mala, mas ela descobre que não está sozinha quando Ridge, o garoto que toca violão enquanto ela o observa, vendo sua situação difícil, a convida para passar a noite em sua casa. Sem muitas opções, Syd aceita a oferta de Ridge, mesmo que ele ainda seja mais um desconhecido.


Ridge ama música. Ama sua banda. Ama tocar violão e compor. Ele é bastante protetor tem uma grande sensibilidade por conta de um problema que sempre teve e por isso usa de todos os seus sentidos para se comunicar e entender o que está acontecendo e tem sempre pessoas maravilhosas por perto, como sua namorada, Maggie, seu irmão, Brennan e seu amigo Warren. Ele está numa fase nada boa de bloqueio criativo e por isso não consegue compor as letras de música para a banda que tem junto com seu irmão, mas ele acaba de encontrar a solução para o seu problema ao conhecer Sydney, a garota que acabou de ser traída pelo namorado e com isso deixa que ela divida apartamento com ele enquanto ela o ajuda a compor as letras. Uma combinação perfeita e também perigosa. Em meio a sentimentos expostos nas letras das músicas e a conexão forte que ela traz, Sydney e Ridge se aproximam mais do que deveriam e cruzam uma linha perigosa, que pode trazer grandes conflitos à tona e será que eles estão dispostos a serem sinceros um com o outro mesmo sabendo de todos os riscos?

Talvez Um Dia era um daqueles livros que estava louca da vida para ler e por isso criei muita expectativa quando iniciei a leitura. Infelizmente, o livro não me conquistou logo de cara (mas conseguiu me conquistar já na metade), porém apesar disso tive uma boa experiência com a leitura. Eu já imaginava como a história terminaria, só não sabia o que aconteceria e os conflitos que foram surgindo me prenderam até o final, o que levou o livro a me agradar.

Syd se mostrou forte em boa parte da história, mas acho que o que me levou a não mergulhar de cabeça logo no início da leitura foi porque achei os sentimentos dos personagens um pouco rápido demais e não entrei no clima desde o início, o que atrapalhou boa parte da leitura. Também muitas das vezes o ambiente das cenas não mudavam e acabei achando repetitivo.
Ridge e Maggie são dois personagens que não tem como não amar. Ridge é muito intenso e acho que foi o que mais gostei, Maggie é uma namorada compreensível que conquista a confiança do leitor, apesar de ela parecer poucas vezes.
Warren foi o personagem que menos gostei por conta de seu caráter machista. Acho que nada justifica suas atitudes e falas grosseiras e isso foi outro fator que me fez ficar com um pé atrás com o livro, ainda que ao longo da história ele se mostra estar ao lado de Syd em alguns momentos, mas o modo como ele a tratou de forma escrota fez com que ele perdesse pontos comigo.


O livro em si não atingiu todas as minhas expectativas, porém apesar dos contras, posso dizer que concluí a leitura de forma agradável. É uma história muito intensa, que às vezes pesa até para o lado mais dramático, mas que foi muito bem escrita pela Colleen e outro aspecto que fez o livro ganhar pontos comigo foi que me senti na pele dos personagens, a intensidade dos fatos descritos faz o leitor se envolver nos sentimentos expostos e adorei a carga emocional.

Outro ponto legal é que as músicas compostas por Syd e Ridge são exclusivamente feitas para o livro e podem ser ouvidas no Spotify! Vou deixar a playlist no final do post para quem tiver interesse em ouvir. Eu particularmente amei a maioria delas!

Indico para todos que procuram um bom romance intenso e bastante descritivo, é uma história que consegue agradar aos leitores e chega a ser confortante. Me contem se vocês já leram ou tiveram interesse no livro!


7 comentários:

  1. Aaaaah, Coho! 💖💖💖💖

    Eu amo a escrita da Collen. Talvez um dia é de uma sensibilidade que meu tocou profundamente.
    A forma como Sid e Ridge se comunicam é tão profunda, tão sincera.
    Sou apaixonada pelos livros da Colleen, então só sei elogiar...
    E tô louca para que chegue no Brasil a história de Warren. 😍

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Nossa, acho que essa foi a melhor resenha que já li. Amaria muito ler esse livro, gosto desse tipo de gênero. Fiquei super curiosa se eles vão ficar juntos no final, vou ter que comprar o livro é ler pra descobrir. Acho lindo esses livros que envolvem música, acho que é uma mistura maravilhosa.
    Beijos meninas ❤

    ResponderExcluir
  3. Nunca li nenhum livro da Colleen e sim, me chamou atenção! Fiquei com vontade de ler, de saber a sensação no momento da traição e como tudo vai fluindo. Espero que esse livro seja meu início com todos os outros dela!

    ResponderExcluir
  4. Isadora!
    A escrita da Collen sempre consegue salvar os livros dela, não é mesmo?
    Mesmo com certa previsibilidade para o final e o começo sem muito interesse, parece que o miolo do livro é instigante e cai conquistando o leitor aos poucos.
    “A poesia contém quase tudo que você precisa saber da vida.” (Josephine Hart)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  5. Por incrível que pareça nunca cheguei a ler nenhum livro da colleen hoover apesar de várias amigas várias pessoas de vários blogs terem indicado os livros dela e nunca tive um pulso de minha parte para começar alguma leitura dela a série métrica por exemplo já cansei de ouvir várias pessoas me indicarem ela mas sinceramente nunca me chamaram atenção

    ResponderExcluir
  6. Oiiie!
    Amei a resenha, se eu já era curiosa pra conhecer a escrita da autora, agora sou mais ainda...
    Enredo lindo!!
    Qro ler assim que puder...
    Bjs!!

    ResponderExcluir
  7. Que interessante esse livro.
    Não o conhecia, pelo fato de ter um músico na história, me interessei bastante.


    Beijos 😃
    https://blogdathaiara.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir