Qual Livro Você é de Acordo com Seu Signo? - Parte 1

março 20, 2017


A Isadora e eu estamos fazendo esse post em conjunto. Fizemos pesquisas pra encontrar livros que tenham a ver com cada signo e espero que vocês gostem! Tô postando a primeira parte e ela vai postar a segunda em breve.

Áries - A Guerra dos Tronos, George R. R. Martin
A pessoa desse signo pode ser muito temperamental, explosiva. São aventureiras e sempre prontos para ação, e tem tudo a ver com esse livro.








Touro - Um dia, David Nicholls

Pessoas desse signo têm a tendência a serem teimosas, assim como os personagens desse livro. São leais – assim como Dex e Emma são um com o outro – e gostam de viver com pé-no-chão.








Gêmeos - Rockfeller, Alexandre Apolca

São instáveis, tendendo a mudar de ideia facilmente. Gostam de socializar e se divertirem, assim como Beto de Rockfeller. Quer saber mais sobre ele? Leia nossa resenha.


Câncer - Depois Daquela Viagem, Valéria Pissa Polizzi

São pessoas conservadoras, e tem tudo a ver com esse livro, pois a personagem aprende a lidar com o preconceito das pessoas quando contrai AIDS aos 16 anos.









Leão - O Beijo da Morte, Judie Castilho

São dinâmicas e chamativas, que gostam de aplausos, e tem tudo a ver com a personagem principal do livro. Saiba mais sobre essa personagem lendo nossa resenha. E essa capa chama muito atenção também, né?






Virgem - Fellside, M. R. Carey
Pessoas do signo de virgem são organizada e gostam de detalhes, e esse livro super combina por isso, por ser bem detalhado e sem furos na história. Nossa resenha conta mais sobre a história.







CONTINUA...

E aí, qual livro você é de acordo com seu signo?

[RESENHA] Todos de pé para Perry Cook, de Leslie Connor

março 13, 2017

Título: Todos de pé para Perry Cook (All Rise for the Honorable Perry T. Cook)
Autor(a): Leslie Connor
Editora: HarperCollins Brasil // livro cedido em parceria com a editora
Páginas: 288
Gênero: ficção, infantojuvenil
adicione ao skoob // compre aqui

Sinopse:
Perry Cook, aos 11 anos, só conheceu uma casa: o Instituto Penal Misto Blue River. Mas apesar de ter nascido e sido criado em uma penitenciária, ele não deseja viver em nenhum outro lugar; lá ele tem a mãe, a benevolente diretora e um grupo de prisioneiros divertidos e bondosos que lhe ensinam lições valiosas todos os dias. Quando, porém, o novo promotor descobre a permanência irregular de Perry em Blue River, ele resolve libertar o menino, mesmo contra a vontade dele. Em sua jornada para se reunir com a mãe, Perry vai mergulhar não só em uma investigação sobre o crime que a levou à prisão mas também em uma jornada emocionante e divertida, perfeita para fãs de Extraordinário e O menino do pijama listrado.

Perry T. Cook – ou simplesmente Perry Cook – é um menino de 11 anos que mora numa pequena cidade chamada Surprise, dentro de uma prisão. Ele nasceu e vive lá com todos os residentes, no Instituto Penal Misto Blue River, e sua mãe, Jessica Cook.

Sua mãe cumpriu quase 12 anos de uma pena de 15 e vai pedir a liberdade condicional em pouco tempo, então os dois vão poder, finalmente, ter uma vida normal – fora da prisão. Só que Thomas VanLeer, um promotor público, descobre essa situação peculiar e resolve tirar Perry de lá e o leva pra morar com ele e Zoey que, na verdade, é a melhor amiga de Perry na escola. Ele também quer impedir que Jessica ganhe a condicional, por ter criado Perry na prisão.



O que era pra dar uma sensação de liberdade a Perry, acaba o deixando se sentindo como se estivesse numa prisão, ao invés de o contrário. Apesar de estar vivendo com sua melhor amiga, sente muita falta de sua rotina na prisão, com sua mãe, Big Ed e os outros residentes.



Por causa de um trabalho da escola, Perry resolve contar a história de sua família – no caso, os residentes de Blue River. Então, todo sábado de visita ele vai até a prisão ouvir a história de cada um, e é aí que descobrimos o porquê de cada um ter ido parar ali. O que mais fiquei curiosa pra saber foi o motivo da mãe de Perry, que chega a ser quase um mistério.



Quando Jessica conta porquê foi parar na prisão, Perry encontra furos em sua história e, estando do lado de fora, tenta a todo custo encontrar provas que tire sua mãe da prisão.

O livro é contado ora através da perspectiva inocente – porém inteligente – de Perry em primeira pessoa, ora em terceira pessoa por Jessica. Os capítulos são bem curtinhos, então dá vontade de ler tudo de uma vez, pois a leitura é fluída.



Perry é aquele tipo de personagem que te encanta logo no primeiro contato, e faz o leitor sentir empatia por ele. O final não foi surpreendente, mas foi belo e não poderia ter imaginado final melhor. Na prisão, há pessoas de todo tipo, que cometeram erros, claro, mas o livro mostra que eles merecem, sim, uma segunda chance e passa uma mensagem linda para acabar com o preconceito de que "bandido bom é bandido morto". O livro também aborda o tema bullying, que Perry sofre por Brian na escola pelo fato de sua mãe estar na prisão, por isso é uma leitura que indico pra todos!


QUOTES:

"Mas não devia parecer que você está cumprindo pena, Perry. Você não fez nada de errado. Nunca se esqueça disso."

"Vir pra cá foi uma coisinha boa dentro de algo borrado e ruim."

[LEITURA À DOIS] Os 13 Porquês, de Jay Asher

março 09, 2017



O blog Maravilhosas Descobertas me convidou pra fazer uma leitura à dois do livro "Os 13 Porquês". Lá eles falam sobre livros, filmes, entre outras coisinhas, e tenho certeza que vocês vão amar. Então deem uma passadinha por lá pra conhecer, okay?

Para começo de conversa, do que se trata a história?

Em Os 13 Porquês conhecemos a vida de Hannah Baker através de suas fitas em que ela explica os 13 motivos por ter se matado. As fitas devem ser enviadas à todos que estão na lista que a levaram a se suicidar. Acompanhamos Clay Jensen ouvir as fitas durante uma noite. Clay, que tinha uma queda por Hannah, ouve as fitas pra descobrir o porquê de estar na lista, já que a seu ver, nunca fez nada de mal à Hannah.

O que você achou da escrita do autor no decorrer do livro?

A escrita do autor é fluída, teria lido mais rápido se não parasse de vez em quando pra refletir sobre tudo que Hannah conta. O autor conseguiu retratar temas sérios e importantes com certa leveza e de uma forma que faz com que o leitor fique preso na leitura, querendo descobrir o que acontece em seguida.

Achei bem interessante o formato da narrativa do livro. Não vemos o ponto de visto da Hannah num capítulo e do Clay em outro, tudo acontece simultaneamente e gostei bastante desse formato.

Que mensagem você crê que o autor quis passar com sua história?

Esse é um dos livros mais intensos que já li. Eu nunca sofri bullying ou criaram boatos sobre mim, mas esse livro me tocou de uma forma inexplicável. É verdade que quando somos jovens agimos sem pensar no impacto que nossa ação tem sobre outras pessoas, e é sobre isso que o livro fala.



E com essa mensagem, que aprendizado você agregou em sua vida?

O mundo de Hannah foi destruído, pedaço por pedaço, até que ela sentiu que não conseguia controlar nenhum aspecto de sua vida porque tudo estava desmoronando. Eu espero que todos que leiam esse livro percebam, como eu percebi, que são as pequenas coisas que a gente faz que têm o maior impacto, que pode ser aquele gesto que, isolado, pode não significar nada, mas que combinado com outras situações, como no caso da Hannah, pode ter um resultado terrível.

Para finalizar, qual trecho do livro lhe chamou mais atenção, e por quê?

"Acho que essa é a questão central. Ninguém sabe ao certo quanto impacto tem na vida dos outros. Muitas vezes não temos noção. Mas forçamos a barra do mesmo jeito."

Como eu disse no meu post de 13 motivos para ler Os 13 Porquês, às vezes fazemos algum comentário por brincadeira, mas não sabemos o quanto aquele comentário, por menor que seja, esteja ampliando a dor de alguém.

E aí, gostaram dessa resenha diferente? Confira as respostas da Dara e sua opinião sobre esse livro maravilhoso que deveria ser lido por todos!